Arquivos do Blog

Fanboys no mundo da Tecnologia.


Google Logo officially released on May 2010

Image via Wikipedia

Um assunto que tem me perturbado muito atualmente são os ditos “fanboys” de uma marca tecnológica. É extremamente irritante uma pessoa que adere irrestritamente a uma marca, sem conseguir enxergar seus pontos fortes e pontos fracos.

Eu acho normal – e até legal – uma pessoa ser fã de determinado filme, série, ator ou outras brincadeiras. Eu mesmo sou fã de algum desses, mas quando o assunto é tecnologia – e conseqüentemente trabalho – a coisa muda de figura.

Fiz uma auto-critica e cheguei a conclusão que apenas uma marca me deixou a beira de me tornar um fã Xiita, e esta marca não foi Microsoft, Apple, Android ou Sony.

Esta marca foi o Google.

Serviços simples, de qualidade e gratuitos. Isso é a cara do Manel.

Em 2009 fiz um post que lendo hoje considerei altamente Xiita, onde eu dizia: “Não sei por que perco tempo procurando outros serviços gratuitos na web. Os serviços da Google são sempre melhores”. Ainda bem que continuei procurando.

Esse post foi verdadeiro em 2009, mas hoje – dois anos depois – esse pensamento ainda se aplica? Vamos ver.

Meus serviços online hoje são:

E-mail: Ok, a Google continua mandando nessa área com seu todo poderoso Gmail, mas quando outros provedores de e-mail puderam usar a interface da Google em seus e-mails gratuitos, alguns de meus e-mails que haviam sido esquecidos no limbo foram ressuscitados do nada. Eu que só usava o Gmail, me vi entrando no meu bom e velho IG Mail. Ele não reina mais absoluto em meu desktop como em 2009.

Blog: Nossa, eu que gostava tanto do blogger fiquei muito decepcionado com o avanço dessa ferramenta que simplesmente parou no tempo. O WordPress é tão superior que praticamente me obrigou a matar meus dois blogs hospedados no Blogger, mesmo com a limitação de não poder usar meu AdSense (que pra ser bem sincero nunca me deu grana mesmo). O Google aqui perdeu de longe.

Microblogging: Alguma dúvida de quem manda aqui? Alguém acha que o Buzz tem alguma chance de vencer o Twitter nesse campo? Sinceramente meu Buzz praticamente só repassa meu Twitter para pessoas que estão no trabalho e sua única opção é o Buzz, e nada mais.

Leitores RSS: Hoje praticamente qualquer coisa lê RSS. Porque se preocupar em criar uma conta no Google Reader?

Geotagging: Google maps? Fala Sério. Com Nokia OVI Maps (o melhor do mundo em sua categoria) e FourSquares não preciso de mais nada.

Social Networking: Facebook, GetGlue, LastFm. Nada da Google. O que é Orkut? Algum cliente estilo TweetDeck? Hummm, mais um #Fail para minha antiga preferida.

Podcasts: Google Listen? Uma merda, inusável no meu Android 2.2. Só pode ouvir os podcasts se estiver conectado?!?!? Falha épica da Google. Nada vence a Apple nesse campo.

Online Streaming: O Google Vídeos nunca empolgou ninguém e a compra do Youtube foi admitir a derrota nesse campo. Vida longa ao Youtube.

Compartilhamento de fotos: Eu amava o Picassa, mas foi outro que parou no tempo. Meus álbuns continuam lá porque tenho preguiça de mudá-los de lugar. Meu preferido hoje é o Molo.me, que é compatível com meu celular de R$ 70,00.

VOIP: Skype. Não existe outra palavra. Apesar de ser um cliente leve, bom e funcional ninguém usa o Google Talk. De que adianta um telefone que não fala com ninguém?

Poderia falar vários outros serviços aqui, mas para que me estender mais se vocês já pegaram a idéia? Se eu tivesse virado um fã insano da Google, hoje eu estaria parado no tempo usando coisas obsoletas e pouco produtivas.

A Tecnologia muda. Mude você também.

Anúncios

Eu quero mais é que vocês se fodam.


Aqui estou eu, a mais de um mês longe da internet e de toda a sua chatice. Sim, eu disse chatice.

Durante todo o mês de outubro o que recebi em minha caixa de e-mail foram spams que me mandavam “tomar uma atitude politica”, sendo que na cabeça dessa gente ignorante “tomar uma atitude politica” era votar na terrorista bulgara ou no careca pirata.  Essa gente que nunca assistiu Hair na vida, ou que só lê “O Monge e o Executivo” estava me dizendo que eu era um idiota porque ia votar nulo.  Tudo que via eram motivos torpes de porque eu não deveria votar nem na versão feminina do Zé Dirceu, nem no babaca anti-aids. Tenho de dizer que ambos me convenceram: os dois candidatos eram uns merdas e mandei  os dois pro caralho. Não gostou? FODA-SE. O problema é seu. Meu poder politico é MEU, e dou ele pra quem eu quiser, assim como o meu rabo.

Agora que as eleições passaram e a terrorista bulgara assumiu essa merda aqui, exatamente como eu tinha dito que ia ocorrer, estamos em guerra, exatamente como eu disse que ia ocorrer.

Como no livro 1984, “Pacificar” é encher a rua e a favela de tanques de guerra. A classe média – que pede paz na janela do prédio do seu condomínio seguro – torce que o helicóptero militar rasque pessoas ao meio. Estamos vivendo no dupli-pensamento. Matar é o clamor popular pela paz. É fundamental eliminar aqueles que enchiam o rabo da burguesia de pó e maconha agora, por causa de dois eventos esportivos. A Globo mostra a apreensão de frascos e mais frascos de lança perfume, uma preparação para um carnaval vindouro, mas quem usaria esse lança perfume todo? Ele ia se cheirar sozinho?

Sinto nojo do ser humano, a raca mais patética do universo. Criaturas hipócritas. Queria ver todos esses bandidos mortos, e pra ser sincero todos esses policiais também, pois são faces distintas de uma mesma moeda. Assim como gostaria de ver mortos o Sergio Cabral, o secretário de segurança e o pai do Capitão Nascimento, o “comentarista de segurança” da rede Globo.  A culpa é de todos eles. Agora estão preocupados com a “segurança do estado”, mas e nos 40 anos que se passaram? Essa politicagem torpe que vem se revezando no poder vem construido esse merda que vivemos há meio século e so agora tomam uma atitude.  Ou será que a polícia mais corrupta do mundo se curou de uma hora para outra?

E quando tomam uma atitude, qual é? Ameaçar a vida de 400.000 (quatrocentas mil) pessoas despossuidas, que vivem na miséria. Veja que não estou falando de bandido – que quero mais é que morra tambem – e sim de moradores de uma das áreas mais populosas do Rio de Janeiro, gente decente que limpa a sua casa, recolhe o seu lixo e faz todas aquelas merdas que você burguês de merda se recusa a fazer.

Pobres coitados pressos nos grilhoes da ignorância. Vocês realmente fedem. Eu odeio vocês.

Dentro do banco de investimentos no qual trabalho escuto todos falando: “agora não pode recuar,para pacificar tem que subir matando.” enquanto na favela as pessoas pensam: “Tomara que os bandidos não resolvam pacificar descendo e matando geral”.

E é assim que a paz vira a morte, e sua mente perde a capacidade de reagir.

Só posso esperar que sobre pelo menos uma pessoa lúcida nesse planeta, para que eu não me sinta tão sozinho.

Respeitáááável Público! O Circo das Eleições Chegou!


O Desafio de hoje foi enviado pelo meu atual chefe. Envia o patrão: “ia pedir para você fazer um artigo sobre as eleições e nossos fantásticos candidatos.”

Então, como chefe é chefe, pulei a fila e hoje vou escrever sobre esse estranho período, que são as eleições.

Eu tinha prometido a mim mesmo que não escreveria sobre as eleições esse ano. Sabia que, se fosse fazer isso, o artigo ficaria gigante, revoltado e ofenderia a todos os meus leitores sem exceções, coisa que tenho evitado por conselho do meu outro chefe, o Sergio. Entretanto sou obrigado a dizer que adorei ter sido desafiado a fazer este artigo, pois me sinto com a obrigação de abrir os olhos de algumas pessoas que ainda acreditam nessa coisa podre, ineficiente, e falida que se tornou a política nacional e mundial.

Quando vejo o horário eleitoral gratuito, renovo minha certeza de que nada de bom pode surgir dessa imundice que se tornou o processo político. As eleições são o mais vulgar concurso de popularidade, um verdadeiro vale tudo para tornar os candidatos em “Patricinhas de Bervley Hills”, e convencer o povo ignorante que aquele “rostinho bonito” ou que aquela “aparência séria e capaz” é verdadeira. É o culto a manutenção da ignorância.

Vale comprar voto com dinheiro público, lançar mentiras e falácias na imprensa, dar banho de loja na Dilma, sentar na frente de favelado e fingir que está escutando o pobre coitado. Dá-me nojo. Mais do que nojo, me dá o mais essencial desejo de revolta.

E antes que comecem os comentários “ah, mas e se…” saibam de uma coisa: não existe concerto. Não existe opção. O sistema está tão inerentemente corrupto – tão essencialmente corrompido – que a única coisa que podemos fazer é rezar para que ele morra, e morra pelo câncer criado por esses vermes que estão no poder.

Peço para os que lêem esse artigo que não tenham medo. A morte é uma parte natural da vida e, quando o processo político falir, uma coisa nova e melhor certamente virá.

Vamos analisar as nossas opções nas urnas:

O Governo

Esse ano nós tivemos que aturar a campanha eleitoral mais cedo do que de costume, afinal, como o atual governo nunca teve a máquina pública a seu favor em uma eleição, Lula e seus comparsas, camaradas, correligionários, ou qualquer coisa que a sua quadrilha esteja usando hoje em dia, ficou ansioso por ativar a compra de votos institucionalizada, disfarçada de assistencialismo – a tal bolsa família – para garantir os tais 18 pontos de vantagem que hoje Dilma apresenta nas pesquisas. Eles controlam as massas e conseqüentemente as eleições. O “jogo político” é de cartas marcadas, e apesar de você detestar a Dilma, ela será a líder máxima do executivo, debruçada na popularidade de um torneiro mecânico. Ah, antes que eu me esqueça, a Dilma lutou contra a ditadura é o K Ralho. Quando a Dilma ingressou na luta armada, ela era comunista, e como tal, ela queria trocar a “Ditadura Militar” pela “Ditadura do Proletariado”, então democrata é o meu pau.

A Oposição

Enquanto isso, o babaca do José Serra, que não tem nem ao menos a coragem de admitir que seja oposição a Lula, vai singrando pra lá e pra cá dizendo: – “eu lutei contra a AIDS, eu criei os genéricos…” sem revelar que na verdade o que ele fez foi rasgar a constituição e quebrar a patente dos laboratórios internacionais, criando o primeiro caso de pirataria governamental que se tem notícia no mundo. É mais ou menos o que o seu camelô preferido faz quando te vende um tênis Mike – ele quebra a patente da Nike. Serra, governar com os recursos dos outros é mole, e roubar pesquisa científica não faz de você o “cara que acabou com a AIDS”.

Olha como sou moderninho, eu voto no verde!

ou

Uiii! Acho que vou votar na Marina e dar a bunda.

Essa é a opção da pequena burguesia, que quer dar uma de “consciente” e não quer se comprometer. É a forma mais fácil de dizer “eu sou diferente do que está por aí, mas não tenho coragem de lutar”. O pequeno burguês, sentado no trono do seu apartamento e vendo a morte chegar, vota na Marina Silva, que tem dois defeitos: ela não tem nenhuma maneira de ganhar por não possuir um curral eleitoral e, mesmo que ela pudesse ganhar, ela não tem absolutamente nenhuma forma de legislar. Ela não tem nenhuma cadeira nas casas – câmara e senado – e para que ela pudesse ter alguma chance de fazer alguma coisa, teria de se vender mais do que uma puta de borracharia. O “Mensalão” teria de virar “Diárião”.

Ok, Manel. Eu li todas essas merdas que você escreveu aí, mas e daí? O que eu faço? Fico sentado na minha casa, olhando o Lula comprar a eleição e dar pra Dilma de presente de Hallowen?

Seria muito adequado, afinal quem já trabalhou com a Dilma disse que ela é a maior bruxa mesmo, mas não faça isso. Siga o pequeno Guia Babaca para as eleições.

O Ideal mesmo é que você não compareça nas urnas. Aproveite o feriado. Carpe Diem. Seu voto não vale nada mesmo, então pelo menos curta o feriado. A multa por não comparecer as urnas é de R$ 3,50. Pague e deixe o sistema político falir. Ele vai.

Existem pessoas que acham que “não estarão cumprindo o seu dever de cidadão” se não forem às urnas. Sem problemas! Dedique seu dia a caridade. Dê aulas de educação moral e cívica em comunidades carentes. Ensine como deveria funcionar a democracia. Mostre o valor do povo, e que o povo não deve ter medo de seus governantes, e sim os governantes é que devem ter medo do povo.

Mas, se mesmo assim, você ainda confia em algum candidato e quer votar, pelo menos siga os passos abaixo:

  1. Não vote no líder das pesquisas.
    1. Pesquisas são manipuladas para te enganar. Não acredite nelas.
  2. Não vote em alguém só porque você não quer que o líder das pesquisas ganhe.
    1. O Voto é uma transferência de poderes políticos. Você elege um representante, alguém em quem você escolhe e confia. Portanto jamais transfira seus poderes políticos por influência de fatores externos, sejam eles quais forem.
  3. Se você não confia em nenhum dos candidatos concorrentes, vote nulo.
    1. O Voto nulo é o instrumento democrático com o qual você pode demonstrar a sua insatisfação com os candidatos concorrentes. Não acredite nas falácias de que “o voto nulo não tem poder”. Eles querem que você fique como uma vaquinha de presépio, votando em branco sempre, se possível. Mesmo que questionem juridicamente a eficácia de um voto nulo, jamais abra mão desse instrumento.
  4. Jamais, sob nenhuma hipótese, vote em branco.
    1. O voto em branco é como dar um cheque assinado e não preenchido para a sua mulher. Você sabe que vai se foder.

É isso,

Sei que foi longo e duro, mas basta relaxar que entra tudo.

O Primeiro artigo do homem casado.


O Desafio do Manel hoje vem de um amigo que prefiro manter no anonimato.

Diz o coleguinha: -“HAHAHA… quero ver você ter coragem de escrever sobre o teu casamento!”

Lá vai.

Os que me conhecem já devem saber a essa altura que eu, a despeito de minhas opiniões sobre a mente feminina (https://tremyen.wordpress.com/2010/03/19/pequeno-estudo-sobre-a-mente-feminina/), hoje sou um homem casado.

Isso tem atrapalhado o blog, já que não tenho tanto tempo para escrever como em meus saudosos tempos de solteiro. Na minha época de solteiro, a exatos um mês atrás, eu chegava à minha casa, jogava a minha roupa em qualquer lugar, pedia uma pizza vagabunda com refrigerante dois litros a R$ 9,90 – e ainda de cueca – me debruçava no computador, vendo pornografia e pensando as besteiras que escreveria aqui. Esse tempo acabou.

É muito estranho, mas mulheres precisam de atenção, e a menos que você faça com elas, odeiam pornografia. É complicado para as mulheres entenderem essa relação que nós homens temos com a mulher pelada.

Mas como esse é um artigo sobre meu casamento, algumas pessoas devem estar esperando que eu mostre como foi lindo meu casamento, ou que eu conte o meu desempenho sexual na lua de mel, mas não é sobre isso que eu vou falar. A festa de casamento e a lua de mel nada têm haver com o casamento, elas ainda estão no terreno da ilusão e do conto de fadas vendido para as noivas.

O seu casamento começa – efetivamente – quando você e sua esposa terminam de almoçar pela primeira vez, já em seu novo apartamento, e você precisa tirar os pratos, talheres e panelas da mesa, pois a louça não caminhou sozinha para a pia, como acontecia na casa da sua mãe. E pior, ela precisava ser lavada.

Esse é o momento que toda mulher deveria olhar para o homem. É ali que ele vai provar o amor que sente por ela.

Na minha cabeça, o primeiro pensamento que ocorreu foi: – “Coitada da minha esposa, trabalhou o dia todo, lavou roupa, preparou a comida, o mínimo que posso fazer é lavar a louça para ela.”

E então, eu, Manoel Alves Ferreira Neto, me levantei e lavei a louça.

Isso foi só o começo. O precedente foi aberto: pronto, agora eu tinha entrado em um caminho sem volta.

Eu sou o marido que ajuda.

Lavar e separar as roupas, passar as camisas, lavar o banheiro, lavar a louça. Não se enganem meus amigos, casamento é isso.

E você vai fazer, simplesmente porque se preocupa com ela.

Simplesmente porque a ama.

Viva, Viva, Viva a medicina alternativa!


O Desafio do Manel de hoje foi enviado pelo amigo Carlos Kleber Arruda, do Rio de Janeiro.

Diz o coleguinha: “Fale sobre as bizonhices da Medicina Alternativa.”

Nunca fui um homem ligado a ciência da biologia, e para ser bem sincero, beiro a ignorância total nesse tipo de assunto. As únicas recordações que tenho de ter estudado biologia estão no meu já longínquo primeiro grau quando acredito, na quarta série primária, minha titia cotinha cuja qual não recordo o nome me fez decorar, em alto em bom som -“O ciclo da vida é: as pessoas nascem, evoluem, reproduzem e depois morrem”.

Naquela época, ainda em tenra idade, achei que o negócio era sério e levei esse conhecimento por toda a minha vida infantil como uma verdade absoluta. Mas ao amadurecer nós aprendemos que não existem “verdades absolutas”, e os chamados terapeutas alternativos são uma demonstração que existem formas de vida capazes de se reproduzir antes mesmo de evoluírem, o que destruiu o argumento de minha professorinha.

Para quem não sabe, um terapeuta alternativo é uma pessoa que se veste de branco e quer que você a chame de “doutor”, apesar de conhecer de biologia a mesma coisa que eu. Em geral elas acham que vão te curar acendendo uma lanterna na sua cara, mandando você cheirar uma merda qualquer, ou apenas operando o seu “espírito”, seja lá o que isso for.

Existem milhares desses charlatões, digo, terapeutas espalhados por aí, sendo que alguns beiram o limite do ridículo nas suas formas de enganar um otário desesperado o suficiente para pagar alguma grana em uma sessão de “medicina” alternativa. Vale lembrar que para um tratamento ser classificado como “médico”, ele deve necessariamente ter a sua eficácia, indicações e segurança comprovados cientificamente (no Brasil, esse princípio está descrito na resolução 1.499/98 do Conselho Federal de Medicina), coisa que nenhum dos tratamentos citados nesse blog possui.

De acordo com as pesquisas que fiz para escrever este artigo, existem mais de 180(!!!) alternativas bizarras para a medicina, sendo que considerei algumas tão escrotas que receberão um artigo a parte, pois não posso deixar de falar de tratamentos como a massagem ayurvédica, que é tão complexa e enganadora que podemos gastar páginas e páginas falando apenas dela. Vamos começar:

Acupuntura: Um japonês sádico e filho da puta enfia agulhas quentes com pólvora dentro na sua carne e explode as mesmas na sua pele. Essa merda dói tanto que faz qualquer outra dor no seu corpo parecer fichinha e desaparecer. Você fica uma semana em casa feliz da vida por não estar mais nas mãos daquele maldito japa, mas logo depois a dor original volta e você paga mais R$ 120,00 para aquele torturador nazista fazer tudo de novo.

Aroma terapia: Uma patricinha zona sul manda você cheirar alguma droga forte, que pode derivar da maconha, ópio, ou alguma orquídea exótica africana que te deixe doidão. Você esquece que está doente, que tem que pagar as contas no final do mês e que a terra é redonda. Normalmente quem pratica engorda, por causa dos efeitos colaterais conhecidos como larica.

Arte terapia: É uma puta embromação, inventada por Johann Christian Reil, um “médico” alemão amigo do Pinel (aquele mesmo que deu nome ao famoso sanatório do Rio de Janeiro). Segundo o autor, arte terapia é “um processo terapêutico que se serve do recurso expressivo a fim de conectar os mundos internos e externos do indivíduo, através de sua simbologia”. Como ninguém entendeu merda nenhuma do que ele disse, e os dementes ficavam concentrados nas telas de pintura sem machucar os enfermeiros, nego achou legal.

Auriculoterapia: Hipócrates, pai da medicina na Grécia antiga, era taradão, e ficava de pau duro toda vez que um menininho fazia uma pequena sangria em sua orelha. Ele relata que esta seria a cura da impotência sexual em seu livro “Geração”, escrito muito antes de cristo. Em 1950, Paul Nogier, um famoso médico francês achou isso legal e começou seus estudos sobre como curar todo o corpo humano baseando-se, apenas, na orelha. Em 1998, o próprio Nogier falou: “A favor dessa prática produz-se um verdadeiro entusiasmo, na verdade bastante efêmero, já que não se podia dar-lhe nenhuma base científica”. Estão aí as bases desse maravilhoso tratamento.

Bio dança: Normalmente, esta “ciência” é ministrada por uma senhora divorciada, de meia idade, mal amada e desesperada para arrumar um novo marido. Foi criada nos anos 1960 pelo antropólogo e psicólogo chileno Rolando Toro Araneda, um puta “latin lover” travestido de médico, que a definiu como “um sistema de integração afetiva e desenvolvimento humano baseado em vivências (experiências intensas no aqui e agora) criadas através de movimentos de dança com músicas selecionadas, e através de situações de encontro não-verbal dentro de um grupo, centradas no olhar e no toque físico.”, o que pra mim é papinho de miche que quer comer umas coras e ainda descolar um troco.

O Artigo já está bem grande e ainda faltaram alguns “tratamentos” que eu gostaria de comentar, então esse desafio terá uma parte dois. Aguardem.

Os Vegetari-ânus.


O desafio de hoje foi enviado por vários leitores e resolvi atender a todos de uma vez, pulando fila:

Manoel… Mais um desafio… Qual sua opinião sobre o vegetarianismo?”

Ah, o ser humano! Que criatura mais infeliz consigo mesma. Um ser humano nega sempre sua condição animal, e resolve criar formas de tentar burlar seus instintos e necessidades.  Apesar de fazermos parte do universo dos carnívoros, nossos amigos vegetari-ânus (ou como eu gosto de chamar, os cuzões) simplesmente são pessoas insatisfeitas com a sua vida por algum motivo.

A Origem do vegetarianismo é a tradição filosófica indiana e todos nós sabemos que ninguém é vegetariano por opção, e sim porque a vaca é sagrada. É realmente empolgante ver que existem pessoas que baseiam a sua dieta em uma crença religiosa e filosófica, sem a menor comprovação cientifica.

O Vegetarianismo se tornou popular quando nossas mulheres ganharam liberdade de decidir o que iriam cozinhar, e para não ter mais que limpar a gordura da parede, decidiram que não iam mais fazer carne. Os vegetari-ânus (ou cuzões) aceitaram isso na boa, ao invés de botar a mulher no seu devido lugar (a cozinha).

Agora, no centro da cidade pagamos R$ 25,00 num rodízio de salada. Mais uma vez fica comprovado que nada de bom veio com o feminismo.

A principal alegação dos cuzões (ou vegetari-ânus) é que comer capim é saudável, o que nunca foi comprovado, afinal as vacas só comem capim e tem uma vida média de apenas 25 anos, isso se a respectiva vaca não virar bife antes. O ser humano – muito legal – tem a mania feia de matar as vacas leiteiras aos quatro ou cinco anos de idade, depois de uma curta porem dolorosa vida sendo tratadas como máquinas de produção de leite. As vacas leiteiras são depois transformadas em caldos para sopas, ração para animais de companhia (algum idiota resolveu alimentar vacas com vacas mortas, e deu na doença da vaca louca) ou hambúrguer de má qualidade. Alguns cuzões mais espiritualistas acreditam que a alma das vaquinhas sofredoras fica impregnando a carne, e que comer carne traz toda a “carga negativa” da vida dura e infeliz de uma vaca, mas se isso fosse verdade nós estaríamos fodidos, e iríamos para o inferno imediatamente após ingerir o primeiro kibe, porque vida a vida da vaca é uma merda. Não acredita? Dá uma olhada nesse site e tire as suas conclusões:

http://www.animaisexcepcionais.org/index.php?option=content&task=view&id=2.

Os Cuzões se dividem nos seguintes subgrupos:

  • Ovolactovegetarianismo: Dieta composta por alimentos de origem vegetal, ovos, leite e derivados deles. Nesta dieta só há a exclusão de qualquer tipo de carne da alimentação, ou seja, a alma da vaca fica só na carne e os pintinhos não têm alma.
  • Lactovegetarianismo: Dieta composta por alimentos de origem vegetal, leite e seus derivados. Os que a seguem não comem ovos nem qualquer tipo de carne. Essa é a dieta tradicional da população indiana. Neste caso os pintinhos têm alma, e apesar da Vaca ser sagrada, podemos mamar na teta dela.
  • Ovovegetarianismo: Dieta composta apenas por alimentos de origem vegetal e ovos, havendo a exclusão dos produtos lácteos e seus derivados e de carne. Nessa opção a alma da vaca se divide entre a carne e o leite, mas os fetos de galinhas estão liberados.
  • Vegetarianismo estrito: Também chamado de vegetarianismo verdadeiro, é uma dieta composta unicamente por alimentos de origem vegetal. Vegetarianos estritos não comem, assim, qualquer tipo de carne, ovos, laticínios, mel e etc., retirando da dieta todos os produtos de origem animal. Esses não me preocupam, pois costumam morrer de inanição antes dos 40 anos de idade.

Vale lembrar que os cuzões deram origem a um grupo ainda mais cuzão, eu diria até otário: os Veganos.

“Enquanto o vegetarianismo estrito é apenas um regime alimentar, veganismo é respeito aos direitos animais – o que inclui o vegetarianismo estrito por razões éticas, mas também: circo com animais, rodeios, produtos testados em animais, e qualquer outra forma de exploração animal é boicotada pelos veganos.“

Existe alguma forma de ser mais “perua” do que participar de um grupo de veganos? Note que o uso da palavra “perua” cabe, porque macho que é macho não entra numa merda dessas.

Em um mundo onde existem 800 milhões de pessoas desnutridas e 11 mil crianças morrem de fome a cada dia, esses idiotas estão preocupados com os “direitos” dos animais. Que tal se nós esperássemos as vacas constituírem um advogado pra defender os direitos delas? Parece-me bom.

Então, se você é  um infeliz suicida e deseja morrer lentamente, por falta de ingestão de itens nutricionais fundamentais para a sua existência, acredite nessa “filosofia” que ela é pra você!

A Maçã é para poucos.


Mais um desafio, desta vez enviado pelo parceiro de carteado Bruno Ghunter, do Rio de Janeiro.

“Tá aí faz um post sobre os 200kk de apps da Apple Store. Que em sua grande maioria são inúteis ou repetidos.”

Não gostaria de ficar aqui falando só da Apple Store, que é um assunto limitado, então vamos aumentar um pouco essa discussão e falar sobre a Apple como um todo. A quantidade de aplicativos da Apple Store na verdade é uma grande vantagem da plataforma, e não vejo o fato de existirem aplicações repetidas um problema, uma vez que você pode preferir a interface (telinha) do programa fulano, ou o melhor desempenho do aplicativo beltrano, e ambos realizarem exatamente a mesma tarefa.

O problema da Maça é o preço.

A Companhia dos Steves (Jobs e Wozniak) nasceu em 1976 sob o nome de Apple Computers na Califórnia. Desde o inicio, os sócios queriam marcar presença no mercado de tecnologia com uma visão diferenciada de seus competidores, que prezavam os nerds e o mercado corporativo. Jobs e seu parceiro queriam um computador para seres humanos normais. Ao contrário do que a maioria imagina a primeira interface gráfica de acesso a um computador não é da Microsoft, e sim da Apple, com a sua Apple Lisa em 1983, o primeiro computador a usar interface gráfica e mouse. Capaz de multitarefa não-preemptiva e equipado com poderosos 1MB (1024KB) de memória RAM, em uma época que Bill Gates afirmava que 640k era o suficiente para qualquer tarefa computacional. A Lisa foi um fracasso retumbante no mercado, afinal, pra que seres humanos normais iam querer um computador que não faz merda nenhuma? Jobs aprendeu com esse e alguns outros erros.

Em 1990, uma revolução chamada Word Wide Web (WWW) veio salvar o visionário Jobs e os seus acionistas. Com ela, foi criada o que os mortais chamam de internet hoje em dia, e devido à proliferação da pornografia na rede, agora sim os seres humanos normais tinham um motivo para querer um computador. Bill Gates, sempre um aproveitador, meteu a Microsoft nesse meio com seu Windows e Jobs ainda se recuperava dos diversos fracassos visionários em que tinha se metido (Apple III, Apple Lisa e Apple Newton). Correndo por fora, tínhamos ainda as diversas distribuições de Linux rodando por ai. Como o Linux em geral era um negócio incompreensível para quem tivesse menos de 120 de QI, e com Jobs totalmente descapitalizado e sem moral, nosso amigo Bill comeu o cú do visionário Jobs que entrou cedo demais nesse negócio. Com seu sistema simples e facilmente pirateavel, Gates roubou mais uma idéia e venceu Jobs em seu próprio terreno, e é por isso que usamos essa merda de Windows 7 hoje em dia.

Com o povão sob domínio da Microsoft, Jobs não teve alternativa e elitizou a qualidade.

Todo mundo que tem a coragem de pagar R$ 3.500,00 por um Dual Core 2 com uma maça desenhada na carcaça adora o tal Mac OS X. Não possuo o Mac, pois meu poder aquisitivo não permite, mas diversos amigos meus possuem (to parecendo o Silvio Santos) e não trocam aquilo por nada. Eu mesmo quando vou namorar tecnologia na Fast não deixo de dar uma manuseada nos MacBooks tão bonitinhos e usáveis, mas quando eu olho o preço, me lembro que posso comprar no Edifício Central um Quad Core por R$ 900,00 e instalar um Ubuntu de graça para fazer exatamente as mesmas coisas.

A Microsoft vem fazendo merda atrás de merda e a tendência é a Apple ir ganhando mercado, e com isso baratear seus obviamente melhores produtos. O Mercado de browsers, mesmo com toda a parafernália monopolista da Microsoft já está quase perdido.

A verdade é que eu adoro o meu Ipod, mas eu só comprei porque arrumei um usado baratinho.

A Insustentável Energia Sexual.


O “Desafie o Manel” de hoje foi enviado pelo leitor e grande amigo Celso Valle da Tijuca, Rio de Janeiro.

-“Sexo depois dos 60 anos.”

Não sei por que um homem de 30 anos deva se preocupar com esse assunto, a menos que ele já sofra de algum sintoma de impotência, o que eu desconfio ser o caso do nosso leitor.  Ele já deve estar sofrendo com a falta de ereções, o que é um grave problema na idade dele. As pressões do dia a dia, em conjunto com a perda de interesse pelo sexo feminino desenvolvem no leitor uma predisposição a manter seu bicho sempre cabisbaixo, desanimado e sem aquele brilho e fulgor da juventude.

Para mascarar seu evidente problema de impotência sexual, o leitor se <metalinguagem>Valle</metalinguagem> da desculpa da idade que vêm chegando, o que é uma grande mentira.

A vergonha de discutir o assunto com a sua parceira, e a cobrança dos amigos e da sociedade, levam estas pessoas (como o nosso leitor) a procurar receitas populares para tentar catapultar o palhaço, como catuaba, amendoim e o uso indiscriminado e desnecessário do exame de próstata, vulgarmente conhecido como fio-terra.

Não caia nessa, meu amigo! Como não entendo nada sobre o seu problema, resolvi entrevistar o maior especialista em sexo que conheço – o meu pênis – e tentar achar uma solução para você.

Neneca: Fala ai, minha caceta, seja bem vinda ao “Diário do Babaca”.

Pênis do Neneca: Sempre que eu estréio em algum lugar o prazer é todo meu.

Neneca: Antes de começarmos, como andam as coisas ai na minha virilha?

Pênis do Neneca: É aquilo né, vida de pica é dura. Quando não estou sendo brutalmente espancado por cinco, fico metido por aí em algum buraco.

Neneca: Ah, deixa de frescura que o trabalho agora com a minha vida de recém-casado ficou melhor.

Pênis do Neneca: Bom, agora eu não tenho mais que desbravar tuneis desconhecidos e perigosos, a variedade diminuiu, mas a quantidade de trabalho praticamente dobrou.

Neneca: Bom, pronto para falar sobre o problema do amiguinho?

Pênis do Neneca: Sempre Alerta!

Neneca: Nosso leitor acredita que a dinamite dele não explode mais porque está chegando aos 60 anos de idade, isso procede?

Pênis do Neneca: Ih, cara, até os 60 anos o assunto é comigo, a partir daí a responsabilidade passa pra Língua.

É isso galera, exercitem o seu cunnilingus porque aos 60 ele será útil, e continuem mandando seus desafios!

“EMO”dinha chata!


O “Desafie o Manel” de hoje foi enviado pelo amiguinho Carlos Cleber Arruda, do Rio de Janeiro. Diz ele:

-“A Falta do que fazer de comunidades em geral (ex. não tem uma guerra em andamento) acarretando no surgimento de manias emos.”

Não sei se entendi bem o tema, mas acredito que meu querido leitor tenha sugerido que os Emos são um bando de moleques que não tem o que fazer. Eu discordo completamente, afinal todos nós sabemos que os Emos são a subdivisão chata e pessimista dos viadinhos. Normalmente as bichonas são alegres e afetadas, mas os Emos que são uma nova forma do vírus <ironia>boiológico</ironia> que anda por aí,  gerando  uma mutação irritante, que possui apenas o lado esquerdo de sua face.

As origens do movimento Emo são desconhecidas porque todo mundo que compareceu ao seu nascimento estava de costas e mordendo as fronhas, de modo que não houve testemunha confiável do acontecimento, entretanto várias lendas foram desenvolvidas (bichas a-do-ram uma fofoca), entre elas a que diz que Emo é abreviação do inglês emotional, um gênero de música derivado do Hardcore. O termo foi originalmente dado às bandas do cenário punk de Washington, DC que compunham num lirismo mais emotivo que o habitual, e se você é emotivo demais ou você é mulher ou é viado, e isso é um fato.

A transformação do gênero de musica na parada gay de cabelo chanel mal cortado que é hoje também é uma incógnita, mas existem algumas teorias no meio (no meio deles, não no meu pô):

  1. Um fã teria gritado -“You´re emo!”, que em português significa -“Você é emo! Uiii! Quero dar duas horas de toba pra vocês!” para uma banda. (provavelmente o Embrace ou o Rites of Spring).
  2. O Movimento foi criado por publicações alternativas como o fanzine “Maximum Rock’n’Roll” e a revista de skate “Thrasher” e os fãs dessas revistas e de bandas como as já citadas Embrace e Rites of Spring, além de Gray Matter, Dag Nasty e Fire Party queriam um visual mais próximo de seus ídolos.

Nesta época, outras bandas já estabelecidas de hardcore, como 7 Seconds, Government Issue e Scream também aderiram à esta onda inicial do chamado “emocore“, diminuindo o andamento, escrevendo letras mais introspectivas e acrescentando influências do rock alternativo de então, alem é claro de começar a dar a bunda.

Vale citar que os próprios Emos consideram o termo pejorativo, e a maioria das bandas que poderiam receber esse rótulo detestam o mesmo.

O Brasil não podia ficar de fora, e logo nosso país começou a desenvolver bichonas mal humoradas para a nossa versão do movimento, que tem como maior expoente a banda NX Zero, alem de outras menos conhecidas como Strike, For Fun e Fresno.

A Piranha da Hora.


O Desafio dessa semana foi enviado pelo leitor Adolfo Pacheco de São Paulo.

Diz o amiguinho:

-“Manel, qual sua opinião sobre as revistas Gata da Hora com suas manchetes doidas e fantasias mais doidas ainda?”

Pra quem não conhece, a Gata da Hora é uma revistinha <sarcasmo>Sueca feita no Brasil </sarcasmo>, onde o tema é invariável: duas gostosas realizando fantasias daquela galerinha adolescente que precisa de ajuda para encher de vida os azulejos do Rio de Janeiro.

A Gata da Hora começou como um suplemento do jornal meia hora, e fez muito sucesso nos banheiros dos canteiros de obra do estado, uma vez que os operários podiam tocar uma com o encarte e depois limpar a bunda com o resto do jornal. O inconveniente era sair do banheiro com o nome da Dilma Rousseff estampado na bunda.

Com o tempo, a direção do jornal percebeu sua vocação para a putaria e manteve a sessão gata da hora do jornal (em geral com as leitoras mais desinibidas), mas também começou a editar a tal revistinha. Como no nosso maravilhoso estado o que não falta é puta digo, modelo, a revista apresenta uma excelente seleção de gostosas, belos espécimes da fauna de piranhas cariocas, sempre brincando com o imaginário masculino.

Entre as minhas preferidas estão: “As Jogadoras” com Marina Fiacadore (linda bunda) e Fabrizia Magalhaes, “As Faxineiras” com Catia Carvalho e Lana Toledo e eliminando o preconceito com as classes menos abastadas, por que não citar “As Funkeiras” com Daina, Rosângela e Lana (uma excelente edição tripla).

Os principais atrativos do encarte e da revista são baixo preço (R$ 3,80 até o momento deste post), tirar onda que é intelectual e lê jornal e no caso dos pré-adolescentes que não podem adquirir sacanagem na banca de jornal, a desculpa de -“Seu Manel, me dá o jornal do me pai, mas ele pediu com o encarte.” e levar a diversão direto para lavatório.

Uma das coisas que acredito que ajude a manter os custos da revista baixos, é que devido a alta circulação do jornal as putas digo, modelos, devem cobrar baratinho (se é que cobram) pra aparecer no encarte afinal a propaganda é a alma do negócio. Talvez role até uma promoção no programa pros editores.

O exemplar nas bancas até o momento deste post é “As Pintoras” com Maíra kraemer e Jaqueline Kiasy. Poderia botar alguns links aqui pra vocês darem uma olhada nas revistas, mas vamos combater a pirataria galera.

Alem do mais se tu não tem R$ 4,00 pra comprar a revista, para de pensar em sacanagem e vai trabalhar porra!

É isso, e continuem mandando os seus desafios pelos comentários do blog.

%d blogueiros gostam disto: