Guia de Cinema Definitivo da Pornô Chanchada – Grad Finale!


É isso galera, chegamos ao final do guia definitivo da pornô chanchada. É chegada a hora de anunciar o nosso grande vencedor.

Não foi uma escolha tão difícil.

Para ser sincero eu já sabia mesmo antes de começar a escrever o guia como um todo. Sem falar sobre o vencedor, gostaria de esclarecer um assunto muito importante: pornô chanchada não é pornografia. O sexo contido em uma pornô chanchada deve ser – no máximo – de leve (o chamado “softcore” americano), o que vai causar a eliminação do maior filme pornográfico já filmado no Brasil, e considerado o terceiro melhor filme pornô de todos os tempos: Oh! Rebuceteio.

Oh! Rebuceteio – infelizmente – é pornografia, logo não pode ser eleito o melhor filme desta lista.

Com isso posto, a escolha é mais do que óbvia: Lá vem ela, a Rainha dos Baixinhos – dessa vez literalmente – Xuxa Meneguel em:

1 – Amor, Estranho amor (1982): Escrito e dirigido por Walter Hugo Khouri, filmado em 1979 e lançado em 1982, este filme tem a curiosidade de ser o primeiro filme de Xuxa Meneguel, ainda lolitinha com 16 aninhos, super ninfetinha. Mas o elenco está longe de parar por aí. Somente pra citar os fodões temos: Vera Fischer, Tarcísio Meira, Íris Bruzzi (super gostosa), Walter Forster, Marcelo Ribeiro (o moleque mais sortudo do mundo), Mauro Mendonça, Otávio Augusto, Rubens Ewald Filho, Matilde Mastrangi (disputando o titulo de mais gostosa do filme com as outras atrizes) e Vicente Vergal. Alem de ser uma pornô chanchada da grossa, com um super elenco não apenas de atores, mas também de gostosas, a história do filme é ótima, polêmica e muito bem filmada. O roteiro, o argumento e a direção também são dignos de nota nesse excelente filme. Vale citar que o nome do menino no filme é o mesmo nome do meio do escritor/diretor do filme, o que me leva a duas conclusões: ou o filme é uma autobiografia e o diretor é filho da puta, ou o filme é uma fantasia sexual do mesmo, coisa que estou longe de criticar.

Tudo começa com Walter Forster (Hugo em idade adulta) chegando a um palacete de São Paulo, que o filme nos faz crer que foi recém adquirido pelo homem, que nesse momento tem a maior pinta de alto executivo bem sucedido. Ao entrar no palacete, o homem começa a ter flashbacks de sua infância, que para ser bem sincero, dá inveja em qualquer moleque macho.

No flashback – que está ambientando nos anos 30 – Marcelo Ribeiro (Hugo em sua infância) é levado por sua avó para a porta do mesmo palacete, e na conversa no meio do caminho já começamos a entender a trama sórdida do filme. Hugo era sustentado por sua mãe, que enviava regularmente dinheiro para a avó cuidar dele em alguma cidade do sul do país, e depois de alguns meses de inadimplência, a avó chuta o balde e joga o moleque na porta da mãe. O problema é que a mãe Ana (Vera Fisher) é uma potranca uber gostosa de luxo que atende a um político poderoso, morando no palacete que na época era um puteiro de luxo.

O Moleque, assim que é apresentado a mãe, começa a sofrer de complexo de Édipo descarado, afinal a Vera Fisher nesse filme está muito gostosa. Começa então a descrição das 48 horas em que Hugo mora em um puteiro abarrotado de gostosas que – sem motivo aparente – ficam taradas e querem dar pra ele a qualquer custo.

Hugo, de banho tomado, olhando sua mamãe. Estaria ele de pintinho duro?

A primeira puta a molestar sexualmente o pobre menino – Ahhh, tadinho – é Matilde Mastrangi no auge de sua forma. Não nego que a primeira vez que vi o filme, em meados de 1989 devia estar na faixa entre 13 e 15 anos e simplesmente não conseguia parar de me imaginar no lugar desse moleque. Essa talvez seja a primeira ereção que me recordo ter obtido.  Alias minha recordação infantil e ter passado esse filme quase todo de pau duro. A desculpa apresentada por Matilde Mastrangi pra comer o moleque é que ela estava de saco cheio de dar para os velhos escrotos que visitavam o puteiro e que ela queria “a inocência” do menino, uma boa desculpa que me convenceu na época.

Enquanto as prostitutas ficam se oferecendo em trajes menores para o felizardo Hugo, diversas tramas paralelas ocorrem no filme. O pano de fundo do cenário é o golpe de Getúlio Vargas para tomar o poder, e ao mesmo tempo que os políticos se divertem na casa suspeita, a política brasileira da época é retratada de forma coloquial. Para ser bem sincero, nem liguei para essa parte do filme.

Neste mesmo final de semana, chega quem faltava para atentar o “pobre” menino. Tamara (Xuxa Meneguel), uma ninfeta atrevida que foi comprada no sul chega a casa para ter seu cabacinho leiloado para o político que pagasse mais. Não preciso nem dizer que a primeira coisa que a putinha faz é seduzir o moleque prodígio e dar pra ele também. Vale lembrar que Tamara não era mais virgem nem em sua orelha.

Xuxa (Tâmara) se preparando para dar um trato no baixinho.
A de Amor, B de Baixinho, C de Coração… E P de Pedofilia!

O Filme é uma obra prima.

Mas participar de uma obra de arte não foi o suficiente para nossa querida rainha dos baixinhos. Xuxa, que estava começando a sua carreira de animadora de programas infantis no Clube da Criança da TV Manchete mais ou menos na mesma época do lançamento do filme em vídeo, se viu em um dilema: nossa, eu não posso ficar com fama de pedófila justamente agora que a minha carreira vai decolar! Começa aí uma longa história judicial onde Xuxa, alegando que no contrato não havia liberação da imagem para vídeo, lança uma liminar judicial mandando recolher todas as fitas originais de locadoras e lojas do país. Porém, o tiro sai pela culatra devido às cópias piratas que continuaram circulando, fazendo do filme uma verdadeira lenda! Quem nunca tinha visto, se interessou.

Hehehe, como as coisas mudam, heim Xuxa?

Mesmo o vídeo de “Amor, Estranho Amor” tendo sua comercialização e distribuição proibidas no Brasil, o filme foi lançado em DVD nos Estados Unidos em 2005, gerando uma nova polêmica. Qualquer brasileiro pode comprar em sites estrangeiros o DVD, por importação. Essa nova polêmica reacendeu o interesse pelo filme, sendo que a produtora de filmes pornô Brasileirinhas encontrou Marcelo Ribeiro (com 34 anos), que aproveitou o momento para fazer um filme pornográfico e se encher de grana. Alem disso deu várias entrevistas, e ainda escreveu um livro.

Meu idolo. Depois de comer todas as gostosas ainda entrou numa grana (e comeu mais gostosas).

Para vocês que leram e gostaram do guia, segue um brinde!

As capinhas para você colocar sua versão pirata do filme em uma caixinha bonitinha.

É isso, e aguardem um novo guia, a ser lançado em breve. 😎

Anúncios

Sobre tremyen

Sou um milhonário exótico que curte falar besteiras pela internet.

Publicado em 16/09/2010, em Cinema, Para Seres Humanos, Pornô Chanchada, Que Maneiro!, Tudão e marcado como , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 2 Comentários.

  1. Adolfo Pachecas

    Manel,
    faltou botar o link pra gente baixar o filme via emule e/ou torrent.

    abcs….

  2. Nada de pirataria nesse site, meu caro Pachecas.
    Sorry. 😎

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: